O LEONISMO

Quem somos

 

O Lions Clube International é uma das maiores organizações internacional de clubes de serviço do mundo, voltada para serviços humanitários, fundada por Melvin Jones. Seus membros, denominados como "Companheiro Leão" ou "Companheira Leão" são associados aos Lions Clubes espalhados pelo mundo.

São aproximadamente 1,4 milhão de homens e mulheres realizando exames de vista e de saúde, construindo parques, apoiando hospitais oftalmológicos, concedendo bolsas de estudo, auxiliando jovens, distribuindo cestas básicas, dando apoio a entidades filantrópicas, fornecendo ajuda em momentos de catástrofes e muito mais.

Lions Clubs International foi fundada nos Estados Unidos em 1917 por Melvin Jones e se tornou internacional em 1920, quando foi fundado um Lions Club no Canadá.

Atualmente, existem mais de 46.000 Lions Clubs espalhados por 206 países do mundo.

Sob a égide de Lions Clubs Internacional e Lions Clubes locais, são organizados os LEO Clubes: organizações de serviço voltadas à juventude, nos moldes do Leonismo. No Brasil ainda existe o Clube de Castores, que foi o primeiro Clube de Serviços Juvenil do Brasil e a primeira organização de serviços voltados à juventude no mundo, funcionando desde 1963 trabalhando a imagem e semelhança do Lions no apoio à comunidade com trabalhos sociais.

 

História

 

Início em 1917:

Melvin Jones, um empresário de Chicago de 38 anos, fez uma pergunta simples, que foi capaz de mudar o mundo: e se as pessoas usassem seus talentos trabalhando pela melhoria da comunidade em que vivem? Quase 100 anos depois, o Lions Clubs International é a maior organização de clubes de serviço do mundo, com 1,35 milhão de sócios em mais de 46.000 clubes e inúmeras histórias de Leões agindo pelo mesmo ideal: vamos melhorar nossas comunidades!

 

Após contato com grupos semelhantes nos Estados Unidos, foi realizada uma reunião organizacional em 7 de junho de 1917 em Chicago, Illinois, EUA. O novo grupo adotou o nome de um dos grupos convidados, a "Associação de Lions Clubes", e uma convenção nacional foi realizada em Dallas, Texas (EUA), em outubro do mesmo ano. Um estatuto, regulamentos, objetivos e um código de ética foram aprovados.

Em três anos, o Lions tornou-se uma organização internacional. Desde então, já nos tornamos referência pela nossa integridade e transparência. Somos uma organização bem administrada, com uma visão sólida, uma missão bem definida e uma longa história que nos enche de orgulho.

 

Internacionalização 1920:

Apenas três anos depois de ser fundado, o Lions tornou-se internacional com a fundação do primeiro clube no Canadá. Depois foi a vez do México, em 1927. Nas décadas de 50 e 60 a expansão internacional intensificou-se com clubes novos na Europa, Ásia e África.

Erradicação da cegueira 1925: 

Helen Keller discursou na Convenção do Lions Clubs International em Cedar Point, no estado de Ohio, EUA, e desafiou os Leões a se tornarem "paladinos dos cegos na cruzada contra a escuridão". Desde então, temos trabalhado incansavelmente para ajudar os cegos e deficientes visuais.

 

Nações Unidas 1945:

O ideal de uma organização internacional é exemplificado pela nossa relação duradoura com as Nações Unidas. Fomos umas das primeiras organizações não-governamentais a serem convidadas para colaborar na elaboração da Carta Constitutiva da ONU, e desde então sempre apoiamos o seu trabalho.

 

Organização de programas juvenis 1957:

No final da década de 1950, criamos o Programa Leo para oferecer aos jovens do mundo todo uma oportunidade de desenvolvimento pessoal através do voluntariado. Há cerca de 144 mil Leos e 5.700 Leo Clubes em mais de 140 países em todo o mundo.

 

A nossa Fundação 1968:

A Lions Clubs International Foundation auxilia os Leões em projetos humanitários globais ou locais de grande proporções. Através da Fundação, os Leões atendem às necessidades da comunidade em que vivem e também de outras comunidades pelo mundo.

 

Lançamento do SightFirst 1990:

Por meio do SightFirst, o Lions está restituindo a visão e prevenindo a cegueira em escala mundial. Lançada em 1990, os Leões já arrecadaram mais de US$ 346 milhões para esta iniciativa. O SightFirst combate as principais causas da cegueira: catarata, tracoma, oncocercose (cegueira dos rios), cegueira infantil, retinopatia diabética e glaucoma.

 

Extensão do nosso alcance Hoje:

O Lions Clubs International amplia sua missão de serviço a cada dia – nas comunidades locais e em todos os cantos do mundo. As necessidades são imensas e os nossos serviços variados, abrangendo desde a visão, saúde, juventude, idosos até o meio ambiente e auxílio humanitário para vítimas de catástrofes. Nossa rede internacional cresceu e já abrange mais de 207 países e regiões geográficas.

 

O que temos a oferecer

Melhorando as comunidades locais e o mundo

Ser parte de algo maior significa muito para nossos sócios. É por isso que nós trabalhamos em iniciativas globais voltadas para a juventude, para promover a saúde e ajudar vítimas de catástrofes que assolam comunidades do mundo todo. Navegue em nossa coleção de histórias para saber mais sobre os projetos sob a perspectiva dos envolvidos: as pessoas carentes e os Leões que ajudaram. E veja como nossos projetos melhoram as comunidades e vidas em todo o mundo.

 

Preparação de Crianças para a Escola:

Como professoras na Escola de Ensino Básico de Middletown na Virgínia, Pam Coffman e Heather Smelser perceberam um hiato em aprendizagem entre crianças que haviam frequentado a pré-escola em relação àquelas que não frequentaram. Acadêmica, social ou emocionalmente, havia muitos alunos que simplesmente não estavam prontos para a escola quando começavam a frequentar o jardim de infância. Os pais que não podiam arcar com a pré-escola tradicional tinham poucas opções que preparassem seus filhos para o primeiro dia.

 

Os Leões entram em cena:

Pam e Heather se juntaram ao Lions Clube através de Wayne Davis, ex-diretor da Escola de Ensino Básico de Middletown, que era um sócio muito ativo do Lions Clube. Juntos, eles formaram o Lions Clube Children First, um clube especial que foca nas necessidades educacionais de crianças durante os anos anteriores ao jardim de infância. Os Leões forneceram aos voluntários e à comunidade os recursos necessários para o programa Pequenos Leões começar e mantê-lo bem sucedido. 

O programa é gratuito para a comunidade e requer que os pais se envolvam na educação inicial de seus filhos. Reunindo-se duas vezes por mês na escola de ensino básico, os Pequenos Leões ensinam habilidades fundamentais como o uso de tesouras, como segurar lápis, revezar e rimar palavras. Ao fazer o programa na escola, as crianças se acostumam com o prédio, com os professores e com o ambiente da sala de aula, e não ficam sobrecarregadas em seu primeiro dia no jardim de infância. 

 

Prontos para aprender:

O programa Pequenos Leões começou apenas com o comparecimento de algumas crianças e seus pais. Agora pelo menos 10 crianças comparecem por sessão. Quando se aproxima o primeiro dia de aula elas estão seguras sala de aula depois de se familiarizarem com as pessoas e o ambiente. “Agora as crianças sentam e ouvem uma história completa,” afirmou Marjorie Davis, sócia do Lions Clube Children First. “Os pais veem um enorme diferença, no que se refere a seguir instruções e ouvir. E quando as crianças vão para a escola elas são mais bem sucedidas.”

 

​​O Lions Clube no Brasil:

A História do Leonismo no Brasil

Em dezembro de 1951, Nivaldo Navarro da Associação Internacional, estava em visita ao Lions Clube de Montevidéu, Uruguai com a missão de difundir o Leonismo na costa do Atlântico.

Por isso, conclamou os companheiros uruguaios para que se interessassem na fundação de um clube no Rio de Janeiro.

Na oportunidade, ocorreu uma feliz coincidência. Encontrava-se naquela capital, um ilustre brasileiro, Dr. Armando Fajardo, que ali fora assistir uma prova clássica de turfe que tem o seu nome.

O então presidente do clube uruguaio, Pedro Berro, também turfista, era amigo intimo de Fajardo. À vista do pedido de Navarro, o CL. Pedro Berro telegrafou a Fajardo que, após a prova, dirigira-se a Buenos Aires, Argentina.

O telegrama convidava Fajardo a fundar o Leonismo brasileiro e esclarecia  que os leões uruguaios aguardariam a sua passagem por Montevidéu, para os entendimentos necessários.

Estes tiveram lugar no aeroporto de Carrasco, às quatro e meia da madrugada chuvosa, que dali partiu credenciado para a elevada missão.

 

No Rio de Janeiro, homem de negócio e da alta sociedade, não teve dificuldades em arregimentar cerca de 40 pessoas que com ele, em 16 de abril de 1952, em almoço festivo nos salões do Jockey Clube Brasileiro, receberam o titulo e o distintivo de Leões.

O Brasil não se encontrava distante do Leonismo. Enquanto se processavam os entendimentos no Uruguai, tanto no Rio como em São Paulo, vários cidadãos, conhecedores das atividades do Lions, procuravam, isoladamente, trazê-lo para cá. De todos, o que mais se adiantou, foi o CL. Floriano Peixoto Santos, de São Paulo. Em viagem que fizera ao EUA. conheceu de perto nossa organização e tempos depois, já de volta, entreteve correspondência com Roy Keaton, Diretor Geral, manifestando-lhe o desejo de organizar um clube em São Paulo, que já possuía diversas adesões de amigos. Pela resposta recebida, Floriano foi informado que era pensamento da Associação iniciar o movimento no Rio de Janeiro, em virtude de ser, na época, a capital do Brasil.

Nesse meio tempo Fajardo hasteia a Bandeira do Leonismo e Floriano por indicação de Chicago, é posto em contato com os companheiros cariocas.

 

Assim começa a história do segundo clube brasileiro, fundado com 56 pessoas em 23 de julho do mesmo ano de 1952, tendo a frente o CL Floriano, ostentando, merecidamente, o título de fundador do Lions Paulista.

 

DADOS HISTÓRICOS:

De acordo com a deliberação da II Convenção Nacional de Lions Clube, em São Paulo(1955), o dia

16 de abril é o "DIA DO LEONISMO NACIONAL", porque nesta data se deu a fundação do primeiro clube do Brasil, o do Rio de Janeiro.

Os três primeiros clubes fundados no Brasil foram: Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador.O "LEÃO NUMERO 1 DO BRASIL", é Armando Fajardo, fundador do Lions Clube do Rio de Janeiro e primeiro Conselheiro Internacional do Brasil. Armando Fajardo, em 1953, foi o 1º Governador de Distrito do Brasil e também "PATRONO DO LEONISMO NO BRASIL", titulo este outorgado a ele em 1964, na Convenção Nacional de Salvador, Bahia.

Floriano Peixoto Santos, é considerado o " LEÃO NUMERO 1 DE SÃO PAULO", fundador do 1º clube de São Paulo, e o 2º do Brasil, o Lions Clube de São Paulo- Centro. Elias Salomão Helou, foi reconhecido pelo CNG 1992/1993, como sendo o 1º brasileiro a ingressar em um Lions Clube, o Lions Clube Guarajá-Mirim, do Distrito S-1, na Bolívia, um mês antes da fundação do 1º Lions Clube no Brasil (Rio de Janeiro em 16 de abril de 1952).

A partir de julho de 1999, por decisão da Convenção Nacional em Belo Horizonte, Minas Gerais, em maio/1998, aprovado pela Diretoria Internacional, o Brasil passou a ser constituído por quatros Distritos Múltiplos, "LA, LB, LC e LD". 

 

A letra " L " corresponde a ordem cronológica da extensão do Leonismo ao Brasil. A 44ª Convenção Nacional em Maceió, Alagoas, em 1997, instituiu o dia 23 de julho como o " DIA FILATÉLICO LEONISTICO " 

e declarado o "PATRONO DA FILATELIA LEONISTICA BRASILEIRA", Manoel Fernandes Trindade, do Lions Clube do Rio de Janeiro-Madureira, grande entusiasta. A Convenção de Porto Alegre, em Maio de 1961, aprovou a moção do Lions Clube de São Paulo- Indianápolis, com o aditivo do Lions Clube de Campos, estabelecendo que o mês de setembro é o "mês DA DOMADORA", devendo os clubes homenagear, nessa época, essas grandes colaboradoras do Leonismo.